Perguntas frequentes

1 - Como é feita a PAAF (Punção Aspirativa)?


A punção com agulha fina é um procedimento realizado para investigação de nódulos palpáveis ou descobertos em exames radiológicos de rotina. Através de uma agulha fina (“paaf”) ou agulha grossa (“core biopsy”) obtém-se células ou fragmentos de tecidos para exame microscópico e definição da natureza da doença, se é benigna ou maligna. Normalmente o nódulo é visualizado no ultrassom e a imagem “guia” a agulha dentro da lesão para coleta.
Clique aqui e confira como é na prática!




2 - A PAAF (Punção Aspirativa) dói?


A sensibilidade da pele e tolerância a dor é individual e varia muito de pessoa para pessoa, mas para a maior parte delas, a punção não é dolorida e muitos me relatam uma pequena pressão no local durante o procedimento.




3 - É necessária anestesia para fazer uma PAAF (Punção Aspirativa)?


Para realização de punção aspirativa com agulha fina, paaf, não é necessário. A agulha é mais fina do que a de colher sangue e o procedimento dura poucos segundos. Para realização de punção com agulha grossa (“core biopsy”) é necessária aplicação de anestesia local porque é feita uma pequena incisão na pele para que a agulha penetre o nódulo.




4 - Por que a PAAF (Punção Aspirativa) é importante?


Uma tumor ou caroço pode indicar um problema sério, como o câncer. Embora a maior parte dos nódulos não seja maligno/câncer, é necessária uma biópsia para confirmar isso. A punção é frequentemente recomendada porque é rápida, apresenta um desconforto mínimo e pode ser realizada no laboratório, em ambiente não hospitalar.
Antes de fazer sua punção, vou te fazer algumas perguntas sobre seus sintomas e histórico para ajudar a determinar seu risco de câncer. Alguns exemplos de perguntas podem estar relacionados à perda de peso, dificuldade em engolir, hábitos de fumar e beber e qualquer histórico pessoal ou familiar de câncer.
É muito importante lembrar que, quando encontrados precocemente, a maioria dos cânceres pode ser curada. Os cânceres diagnosticados precocemente têm as maiores taxas de cura.




5 - Quando é indicada uma PAAF (Punção Aspirativa)?


As indicações mais frequentes são: • Nódulos de tireoide • Nódulos de mama • Gânglios aumentados ou endurecidos (pescoço, axila) • Cistos (pescoço, mama) • Nódulos de glândula salivar (parótida, glândula submandibular) • Nódulos subcutâneos




6 - Existe preparo para PAAF (Punção Aspirativa)?


Não há preparo para punção com agulha fina. Na punção com agulha grossa, para pacientes em uso de anticoagulantes, o ideal é a suspensão do medicamento 48hs antes do procedimento, com o consentimento do médico assistente.




9 - O que é imunoistoquímica?


IMUNOISTOQUÍMICA

Você sabia que a patologia cirúrgica vai além da primeira lâmina?
O exame imunoistoquímico é um teste complementar aos de patologia cirúrgica convencional. Imagine um quebra-cabeças 🧩. O princípio básico desse método é que uma proteína chamada anticorpo (uma pecinha) se liga a certas substâncias, chamadas antígenos (outro tipo de pecinha), que estão na célula ou dentro dela. Cada tipo de anticorpo reconhece e se liga a antígenos que se ajustam exatamente a ele. Certos tipos de células normais e células cancerosas têm antígenos exclusivos. Se as células tiverem um antígeno específico, elas atrairão o anticorpo que se ajusta ao antígeno. Para descobrir se os anticorpos foram atraídos para as células, são adicionados produtos químicos nas amostras que fazem as células mudarem de cor apenas se um determinado anticorpo (e, portanto, o antígeno) estiver presente.

Nossos corpos normalmente produzem anticorpos que reconhecem antígenos em germes e ajudam a nos proteger contra infecções e nos conferem imunidade às doenças que já tivemos ou tomamos vacinas. Os anticorpos usados para imunoistoquímica são diferentes. Eles são feitos em laboratório para reconhecer antígenos que estão ligados ao câncer e outras doenças.

As reações imunoistoquímicas são muito úteis na identificação de certos tipos de câncer. Por exemplo, uma biópsia de um nódulo linfático pode conter células de câncer e, para determinar se o câncer começou no nódulo linfático ou se começou em outra parte do corpo e se espalhou para o linfonodos, fazemos uma imuno (para os íntimos 😊). Se o câncer começou no linfonodo, o diagnóstico seria linfoma. Se o câncer começou em outra parte do corpo e se espalhou para o linfonodo, pode ser metástase. Essa distinção é muito importante porque o tratamento depende do tipo de câncer (e também de alguns outros fatores).
Existem centenas de anticorpos usados ​​para exames imunoistoquímicos. Alguns são bastante específicos, o que significa que reagem apenas a um tipo de câncer. Outros podem reagir com alguns tipos de câncer, portanto, vários anticorpos podem ser testados para decidir que tipo de câncer é. Ao observar esses resultados junto com a aparência das células, sua localização e outras informações sobre o paciente (idade, sexo, etc.), na maior parte das vezes é possível classificar o câncer de forma que seja escolhido o melhor tratamento. A imunoistoquímica também determina medicamentos dirigidos ao tumor, por exemplo, em cânceres de mama com receptor de estrógeno, a paciente toma medicamento para anular o hormônio. Também é possível identificar infecções de alguns vírus com o exame.

Dra Olivia Grimaldi👩🏼‍🔬
Patologista, citopatologista
CRM-SP 120092
RQE 47796 e 47796-1




8 - Quando uma punção de tireoide é indeterminada?


PUNÇÃO DE TIREOIDE INDETERMINADA Sou entusiasta da punção aspirativa e vocês sabem disso, mas 🤔... Nada na vida é perfeito 😂 e, em alguns casos, o nódulo tem ⚠️ características que exigem exames adicionais à punção para um veredicto preciso entre maligno ou benigno! Isso acontece em duas situações: 1 - quando há algum grau de atipia, ou seja, de alteração na forma, tamanho, cor da célula ou na forma como elas se agrupam.
As atipias podem ser reativas a processos inflamatórios, por exemplo, ou pela própria natureza do nódulo. 2 - em neoplasias foliculares
As neoplasias foliculares, adenoma ou carcinoma, são tumores cujo diagnóstico depende da avaliação da cápsula, possível somente após a cirurgia quando é realizado estudo anátomopatológico completo da peça cirúrgica (tem acompanhado meus stories em congelações? E meus IGTVs de macroscopia?). Ambas as situações correspodem a, no máximo, 10% dos casos. Felizmente, a punção define se um nódulo é benigno ou maligno nos outros 90% 🤩! Frente a esse diagnóstico indeterminado, é preconizada repetição da punção (sempre fazemos de tudo para evitar a cirurgia e abreviar o tratamento, sempre!) ou estudo molecular da amostra.




7 - O que é o sistema Bethesda?


O sistema Bethesda é uma classificação de nódulos tireoidianos - foi definido em uma reunião realizada em Bethesda, cidade perto de Washington nos Estados Unidos, por uma equipe multidisciplinar de patologistas, radiologistas, endocrinologistas e cirurgiões, para padronizar os laudos citopatológicos de punção aspirativa de tireoide. O objetivo do sistema é facilitar a comunicação entre os médicos das diferentes especialidades envolvidas no seu cuidado e em pesquisas sobre o assunto.

Assim, o diagnóstico de cada nódulo tireoidiano deve estar enquadrado em uma das seis categorias:

I- não diagnóstico
II- benigno
III- atipia de significado indeterminado
IV- suspeito de neoplasia folicular
V- suspeito de malignidade
VI- maligno

Cada categoria tem os critérios diagnósticos, risco de malignidade e conduta clínica estabelecidos.